top of page

Cirurgia Bariátrica

Design sem nome (2).png

Dr. Daniel Assumpção - Cirurgião do Aparelho Digestivo
Rede MaterDei - Belo Horizonte - MG
​Última atualização: 17 de maio de 2024

Bem-vindo(a) à nossa página dedicada à cirurgia bariátrica. Sou Dr. Daniel Assumpção, cirurgião especialista em cirurgia bariátrica em Belo Horizonte - MG, e estou aqui para compartilhar informações essenciais sobre este procedimento. A cirurgia bariátrica é uma intervenção significativa no combate à obesidade, uma condição que impacta profundamente a saúde e a qualidade de vida. Com anos de experiência, nosso objetivo é esclarecer todas as dúvidas sobre os tipos de cirurgias disponíveis, os critérios de elegibilidade, os benefícios e os possíveis riscos, além de fornecer orientações sobre a preparação e o acompanhamento pós-operatório. Acreditamos que uma abordagem informada e humanizada é fundamental para ajudar cada paciente a tomar decisões conscientes e seguras, promovendo uma jornada rumo a uma vida mais saudável.

Índice

Obesidade, uma epidemia global

A obesidade é um sério problema global de saúde, afetando cerca de 1 em cada 10 pessoas no mundo, com quase 2 bilhões de indivíduos acima do peso. A Organização Mundial de Saúde (OMS) estima que até 2025, mais de 700 milhões de indivíduos estejam obesos e 2,3 bilhões com sobrepeso.

No Brasil, dados de 2022 mostram que 31,88% dos adultos são obesos e 34,63% estão com sobrepeso, com preocupações crescentes sobre o sobrepeso e a obesidade infantil, afetando 23,1% dos adolescentes. Se essa tendência continuar, o país pode atingir níveis semelhantes aos EUA, onde quase 40% da população é obesa.

Essa situação levanta sérias preocupações devido aos riscos associados, como diabetes e doenças cardiovasculares. A obesidade resulta de hábitos não saudáveis, falta de exercício físico, fatores genéticos, sociais e econômicos. Para enfrentar esse desafio, é crucial promover escolhas alimentares saudáveis, incentivar o exercício regular e implementar políticas públicas para um estilo de vida mais saudável.

Conscientizar sobre os riscos da obesidade e incentivar mudanças de hábitos são essenciais. Profissionais de saúde desempenham um papel crucial oferecendo suporte personalizado. O combate à obesidade requer uma abordagem completa, considerando aspectos biológicos, emocionais e sociais para promover a saúde a longo prazo.

Sem título2.png

Obesidade no Brasil (2022). Fonte: Sistema de Vigilância Alimentar e Nutricional – SISVAN/MS

Mortalidade relacionada à obesidade

As complicações associadas à obesidade afetam praticamente todos os órgãos vitais, contribuindo para pressão alta, problemas cardíacos, AVC, diabetes tipo 2, câncer e infertilidade. O excesso de peso também está relacionado à distúrbios como asma, osteoartrite, apneia do sono, esteatose hepática, pancreatite, impotência sexual e incontinência urinária.

Na faixa de obesidade mórbida, a probabilidade de desenvolver diabetes e doenças cardiovasculares aumenta de 5 a 7 vezes. 

Essas condições podem levar a complicações graves que, em última instância, contribuem para taxas de mortalidade cada vez mais elevadas. Portanto, trata-se de um problema de saúde grave que não apenas impacta indivíduos, mas também sobrecarrega os sistemas de saúde.

Muito além da doença obesidade

Além dos desafios de saúde previamente destacados, pessoas com obesidade ou obesidade mórbida frequentemente enfrentam outras implicações significativas. O comprometimento da mobilidade torna-se uma realidade, impactando a capacidade de realizar atividades diárias. A limitação nas opções de vestuário pode não apenas afetar a autoestima, mas também criar barreiras práticas para encontrar roupas confortáveis e adequadas.

O preconceito e a discriminação social são lamentavelmente comuns, contribuindo para uma experiência social muitas vezes difícil. A sociedade pode impor estigmas injustos, gerando isolamento e afetando negativamente a saúde mental. 

Até mesmo coisas simples, como tomar banho ou cuidar da higiene, podem ser difíceis para quem enfrenta a obesidade. Isso pede ajustes e cuidados especiais. Esses desafios, que nem sempre são lembrados, mostram que a obesidade não afeta apenas o corpo, mas também vários aspectos da vida diária. Isso destaca como é crucial lidar com essa situação de maneira completa e compreensiva, sendo sensível às necessidades das pessoas que passam por isso.

O que é a cirurgia bariátrica?

A cirurgia bariátrica, também conhecida como redução de estômago, é um procedimento médico realizado em pessoas que enfrentam a obesidade e buscam reduzir seu peso e controlar as doenças relacionadas a obesidade. Essa intervenção é considerada quando outros métodos para emagrecer não foram eficazes e quando a obesidade representa sérios riscos à saúde. É a forma mais eficaz e duradoura de tratar a obesidade mórbida. Para pessoas com essa categoria de obesidade, manter a perda de peso apenas com dieta e exercícios é muito difícil, pois o corpo tende a resistir a essa mudança. A cirurgia bariátrica altera a maneira como o corpo processa alimentos, tornando as mudanças saudáveis na dieta e no estilo de vida mais eficazes para alcançar uma perda de peso sustentada e promover a saúde.

Existem diferentes tipos de cirurgias bariátricas, e a maioria tem o objetivo de modificar o sistema digestivo para limitar a quantidade de alimentos que a pessoa pode ingerir e, em alguns casos, reduzir a absorção de nutrientes. Isso geralmente envolve alterações no estômago e, por vezes, no intestino delgado.

É importante compreender que a cirurgia bariátrica não é uma solução fácil ou rápida para perda de peso. Ela exige uma avaliação cuidadosa, preparação antes do procedimento e, especialmente, mudanças significativas no estilo de vida após a cirurgia para alcançar resultados duradouros.

Como saber se sou candidato a cirurgia bariátrica?

Se você atender aos seguintes critérios, pode ser considerado como candidato para a cirurgia bariátrica:
 

  • IMC ≥ 40 Kg/m²: Indicado independentemente de ter ou não problemas de saúde relacionados.

  • IMC ≥ 35 Kg/m²: Indicado quando associado a comorbidades relacionadas à obesidade, como diabetes tipo II, hipertensão, apneia do sono, esteatose hepática, distúrbios ortopédicos, doença do refluxo gastroesofágico, síndrome dos ovários policísticos, insuficiência venosa periférica (varizes), entre outros.

  • IMC ≥ 30 Kg/m²: Indicado quando associado a diabetes mellitus tipo 2 de difícil controle clínico.

  • Falha do tratamento conservador por pelo menos 2 Anos: Incapacidade de alcançar uma perda de peso saudável e mantê-la, com fácil reganho de peso, apesar de tratamentos convencionais por pelo menos 2 anos.

  • Histórico de obesidade de pelo menos 5 anos
     

Esses critérios são frequentemente utilizados como diretrizes para determinar se você é ou não candidato(a) à cirurgia bariátrica. No entanto, é fundamental que a decisão seja tomada em consulta com uma equipe médica especializada, considerando a situação clínica específica de cada indivíduo.

Quando consultar com especialista?

Se você deseja um plano de acompanhamento personalizado, é recomendável que passe pela avaliação com um especialista (cirurgião do aparelho digestivo) para melhor esclarecimento terapêutico.

Design sem nome (2).png

Dr. Daniel Assumpção - Cirurgião do Aparelho Digestivo
Rede MaterDei - Belo Horizonte - MG

Consultório particular Santo Agostinho

Atendimento particular, opções de consultas de 40 minutos, 1 hora, 1h30, 2 horas.

Rua dos Aimorés, 3140 - Belo Horizonte - MG, 30140-073

Tel e WhatsApp: (31) 97196-4010

Consultório Unimed

Atendimento por convênio Unimed e outros convênios.

Av. do Contorno, 2905 - Santa Efigênia, Belo Horizonte - MG, 30110-915

Telefone: (31) 3241-2124

WhatsApp: (31) 98304-3366

Com relação a idade, existe contraindicação para a realização da cirurgia?

  • Abaixo de 16 anos: Exceto em casos de síndrome genética, a avaliação de riscos deve ser feita por dois cirurgiões bariátricos titulares da Sociedade Brasileira de Cirurgia Bariátrica e Metabólica (SBCBM) e pela equipe multidisciplinar. A operação requer consentimento da família ou responsável legal, que também deve acompanhar o paciente durante a recuperação.

  • Entre 16 e 18 anos: A cirurgia pode ser considerada com indicação e consenso entre a família (ou responsável) e a equipe multidisciplinar.

  • Entre 18 e 65 anos: Nessa faixa etária sem restrições.

  • Acima de 65 anos: É necessária uma avaliação individual pela equipe multidisciplinar. É importante considerar o risco cirúrgico, a presença de comorbidades,a  expectativa de vida e os benefícios do emagrecimento.

Como calcular meu IMC e quais os graus de obesidade?

O Índice de Massa Corporal (IMC) é calculado dividindo o peso em quilogramas pela altura ao quadrado em metros. 

Os passos básicos para calcular o IMC são:

  • Meça seu peso em quilogramas.

  • Meça sua altura em metros.

  • Aplique a fórmula: Divida o peso pela altura ao quadrado.


Se você desejar, pode usar a calculadora online no link abaixo:

https://abeso.org.br/obesidade-e-sindrome-metabolica/calculadora-imc/

Os intervalos são classificados da seguinte forma:

  • Abaixo de 18,5: Abaixo do peso

  • 18,5 a 24,9: Peso normal

  • 25 a 29,9: Sobrepeso

  • 30 a 34,9: Obesidade Grau I

  • 35 a 39,9: Obesidade Grau II

  • 40 ou mais: Obesidade Grau III (mórbida)

Sem título_edited.jpg

Classificação da obesidade baseada no IMC.

Fonte: Unifesp – Telessaude São Paulo

Lembrando que o IMC é uma ferramenta de triagem e não leva em conta a composição corporal total, como a proporção de gordura e músculos. Portanto, sempre consulte um profissional de saúde para uma avaliação mais abrangente.

Quais doenças associadas à obesidade justificam a realização da cirurgia em um indivíduo com obesidade grau 2?

Se, além de obesidade grau 2, você possui alguma das doenças abaixo, há indicação de bariátrica, desde que preencha os demais critérios descritos no tópico acima:

 

  • Diabetes tipo 2;

  • Hipertensão arterial;

  • Doenças cardiovasculares;

  • Apneia do sono;

  • Dislipidemia (colesterol e triglicérides altos);

  • Esteatose hepática (acúmulo de gordura no fígado);

  • Distúrbios ortopédicos (artroses, osteoartrites, hérnia de disco etc.);

  • Doença do refluxo gastroesofágico;

  • Síndrome dos ovários policísticos;

  • Insuficiência venosa periférica (varizes);

  • Outras condições médicas graves relacionadas à obesidade.

O que é a cirurgia metabólica ou cirurgia do diabetes tipo 2?

Na cirurgia metabólica, fazemos basicamente o mesmo que na cirurgia bariátrica. A diferença é que, na cirurgia metabólica, queremos principalmente controlar doenças. Já na cirurgia bariátrica, o foco principal é perder peso, e o controle de doenças como diabetes e hipertensão é uma meta secundária.

O Conselho Federal de Medicina (CFM) estabeleceu que a cirurgia metabólica para pacientes com diabetes mellitus tipo 2 deve priorizar o bypass gástrico com reconstrução em Y-de-Roux (BGYR). A gastrectomia vertical (GV) é considerada uma opção apenas em casos de contraindicação ou desvantagem da BGYR. Outras técnicas cirúrgicas não são reconhecidas para o tratamento desses pacientes. Você encontrará detalhes sobre essas técnicas cirúrgicas no tópico “Quais os tipos de cirurgia bariátrica?”. 

Se você apresenta os critérios a seguir, pode ser considerado como candidato à cirurgia metabólica:
 

  • Diabetes tipo 2, diagnosticado há menos de 10 anos;

  • IMC superior a 30 kg/m²;

  • Mais de 30 e no máximo 70 anos;

  • Resistência ao tratamento clínico com antidiabéticos orais e/ou injetáveis, e mudanças no estilo de vida. Nesse caso é necessário um parecer méidco.

  • Tenha comparecido ao endocrinologista por no mínimo dois anos.

Quais os tipos de cirurgia bariátrica?

Existem várias técnicas já descritas, mas vamos nos ater àquelas autorizadas pelo Conselho Federal de Medicina.

Bypass Gástrico (gastroplastia com desvio intestinal em “Y de Roux”)

É a técnica bariátrica mais comum no Brasil, devido à sua segurança e, principalmente, eficácia. Os pacientes submetidos a essa cirurgia podem perder de 70% a 80% do excesso de peso inicial. No procedimento, parte do estômago é grampeada para reduzir o espaço para alimentos, e há um desvio na porção inicial do intestino para aumentar a produção de hormônios que promovem saciedade e diminuem a fome. A combinação de menor ingestão de alimentos e aumento da saciedade resulta no emagrecimento, além de contribuir para o controle de condições como diabetes e hipertensão arterial.

Sleeve ou Gastrectomia vertical

A técnica sleeve já é a mais realizada nos EUA e está em franco crescimento no Brasil. É eficaz para a perda de peso e controle de condições relacionadas à obesidade, alcançando resultados semelhantes ao bypass gástrico. Essa abordagem envolve a remoção de uma parte significativa do estômago, formando um tubo de cerca de 80 a 100 ml. Além da restrição física à ingestão de alimentos, a cirurgia desempenha um papel importante nas alterações hormonais, incluindo a redução da produção do "hormônio da fome", grelina, resultando em menor sensação de fome.

Duodenal Switch

Associa uma Gastrectomia Vertical a um desvio intestinal, essa técnica é atualmente pouco utilizada, representando menos de 5% das cirurgias realizadas no Brasil. Isso se deve à sua complexidade técnica, aumento do tempo cirúrgico e maior risco de complicações relacionadas à má absorção. Suas indicações são mais restritas. No entanto, essa abordagem resulta em uma perda de peso superior ao bypass gástrico, além de apresentar resultados expressivos no controle de comorbidades.

image4.jpg
image7.jpg

Banda gástrica ajustável

Técnica também muito pouco utilizada atualmente. Instala-se um anel de silicone inflável e ajustável ao redor do estômago, ajustando a pressão no órgão para controlar o esvaziamento do estômago. Essa técnica é exclusivamente restritiva, limitando a quantidade de alimentos que o estômago pode conter. Contudo, a presença do anel, sendo uma prótese, pode gerar problemas e complicações na cavidade abdominal.

Cirurgia aberta ou por videolaparoscopia?

Não existe dúvida, a cirurgia bariátrica laparoscópica oferece várias vantagens em comparação com a técnica aberta. Algumas dessas vantagens incluem:
 

  • Menos Invasiva: A cirurgia laparoscópica é realizada através de pequenas incisões, utilizando uma câmera e instrumentos cirúrgicos. Isso resulta em menos trauma aos tecidos circundantes em comparação com a abordagem aberta, que requer uma incisão maior.

  • Recuperação Mais Rápida: Devido às incisões menores, os pacientes geralmente experimentam uma recuperação mais rápida e menos dor pós-operatória.

  • Menor Perda de Sangue: A técnica laparoscópica geralmente envolve menos perda de sangue durante a cirurgia em comparação com a técnica aberta.

  • Menor Risco de Infecção: As incisões menores reduzem o risco de infecções, pois há menos exposição dos tecidos internos ao ambiente externo.

  • Melhor Estética: As pequenas cicatrizes resultantes da cirurgia laparoscópica são esteticamente mais agradáveis em comparação com as grandes cicatrizes da cirurgia aberta.

  • Hospitalização Reduzida: Os pacientes submetidos à cirurgia laparoscópica geralmente recebem alta em menos de 24 horas, devido à menor dor pós-operatória, o que permite uma rápida mobilização e liberação.    

  • Menor Chance de Hérnias: A abordagem laparoscópica reduz significativamente o risco de hérnias incisionais em comparação com a técnica aberta.

  • Melhor Visualização Interna: O uso de câmeras proporciona uma visualização interna mais detalhada, permitindo uma precisão maior durante a cirurgia.

Videolaparoscopia

Fonte: Cleveland Clinic

Qual a melhor cirurgia? Quando indicar bypass ou gastrectomia vertical (sleeve)?

Não existe uma cirurgia "melhor", pois cada procedimento tem suas próprias vantagens e considerações. A escolha entre o bypass gástrico e a gastrectomia vertical (sleeve) deve ser individualizada, levando em consideração as características específicas de cada paciente, suas preferências pessoais e uma avaliação médica completa. Aqui vão algumas considerações gerais:

Bypass Gástrico:
 

  • Controle Metabólico: O bypass gástrico é frequentemente escolhido em casos de diabetes tipo 2 mal controlado e hipertensão arterial de difícil controle, pois pode proporcionar melhorias metabólicas significativas.

  • Refluxo Gastroesofágico: Pacientes com histórico de refluxo gastroesofágico (DRGE) podem se beneficiar mais com o bypass gástrico, pois a cirurgia ajuda a reduzir os sintomas.

  • Pacientes com IMC mais alto: Em alguns casos, pacientes com um índice de massa corporal (IMC) mais alto podem ser orientados para o bypass gástrico, pois tende a resultar em uma perda de peso mais significativa.


Gastrectomia Vertical (Sleeve):
 

  • Simplicidade: A gastrectomia vertical é considerada uma técnica mais simples e rápida, envolve menos desvio no trato digestivo em comparação com o bypass gástrico.

  • Menor risco de complicações a longo prazo: Em geral, a gastrectomia vertical pode ter menos complicações a longo prazo do que o bypass gástrico, principalmente se levarmos em consideração o risco de obstrução intestinal (será explicado a frente).

  • Ausência de desvio intestinal: Como não há desvio intestinal, há menos risco de complicações relacionadas à mal absorção de nutrientes.

  • Pacientes com IMC moderado a alto: A gastrectomia vertical é frequentemente realizada em pacientes com IMC moderado a alto, sendo uma opção eficaz para perda de peso.

Principais vantagens da cirurgia bariátrica:

A cirurgia bariátrica, ao promover a perda de peso, contribui para a melhoria de condições existentes e a prevenção de outras, trazendo benefícios como:

 

  • Redução de peso;

  • Controle do diabetes;

  • Melhora da disposição;

  • Fortalecimento da musculatura;

  • Controle da hipertensão;

  • Diminuição do refluxo gastroesofágico;

  • Alívio de problemas respiratórios e apneia do sono;

  • Aumento da autoestima;

  • Favorecimento da socialização;

  • Redução do colesterol;

  • Melhora e prevenção de problemas ósseos e articulares;

  • Prevenção de doenças cardiovasculares;

  • Redução do risco de doenças psicológicas;

  • Auxílio na redução da incontinência urinária;

  • Aumento da expectativa de vida;

  • Melhora da esteatose hepática (gordura no fígado).

Importância da equipe multidisciplinar:

O pré-operatório da cirurgia bariátrica inclui uma avaliação multidisciplinar. Antes da cirurgia, é realizado um preparo para identificar problemas que possam afetar o paciente durante ou após a operação. Isso envolve tratar distúrbios nutricionais, controlar pressão arterial e glicose, lidar com a apneia do sono, entre outros cuidados. Para isso é fundamental o acompanhamento de profissionais de diferentes áreas e especialidades médicas. São elas:

Nutricionista: desempenha um papel crucial, fornecendo suporte nutricional antes, durante e após o procedimento. Antes da cirurgia, eles ajudam a preparar o paciente, fornecendo orientações sobre dieta e mudanças no estilo de vida. Após o procedimento, orientam na transição para uma alimentação saudável, garantindo a absorção adequada de nutrientes e prevenindo deficiências nutricionais. O acompanhamento nutricional no longo prazo é vital para otimizar os resultados e a saúde geral do paciente, além de prevenir reganho de peso.

Psicólogo e/ou Psiquiatra: O suporte psicológico é fundamental, abordando fatores emocionais antes, durante e após a intervenção. Antes da cirurgia, a avaliação psicológica identifica questões relacionadas à comida, transtornos alimentares e motivação. Após o procedimento, o suporte ajuda na adaptação a mudanças físicas, promove uma mentalidade positiva, previne compulsões alimentares, facilita a adesão ao tratamento médico e contribui para o bem-estar emocional geral do paciente, sendo essencial para o sucesso a longo prazo.

Endocrinologista: Antes do procedimento, avalia a indicação da cirurgia, trata problemas de saúde associados ao ganho de peso e realiza dosagens hormonais para identificar possíveis contribuições para o excesso de peso. Após a cirurgia, monitora a saúde hormonal, identifica deficiências de vitaminas e ajusta as medicações conforme necessário, proporcionando uma abordagem integrada e cuidadosa ao paciente.

Pneumologista e Cardiologista: O cardiologista avalia a saúde cardiovascular do paciente, gerenciando riscos como hipertensão e doença cardíaca. O pneumologista foca na saúde pulmonar, especialmente em condições como apneia do sono.

O acompanhamento multidisciplinar é a chave do sucesso no tratamento da obesidade, uma condição complexa que demanda dedicação tanto da equipe quanto do paciente. O reganho de peso é uma grande preocupação na cirurgia bariátrica, e a única maneira de evitá-lo é através de acompanhamento de longo prazo com profissionais qualificados.

Principais cuidados no pré-operatório:

Se você é candidato a cirurgia bariátrica, além da avaliação dos especialistas descrita anteriormente, seguem abaixo os principais cuidados do pré-operatório:

 

  • Perda de peso antes da cirurgia: é fundamental, uma vez que alguns quilos a menos aumentam significativamente a segurança da cirurgia e do ato anestésico.

  • Início de alguma atividade física: é fundamental para melhorar a saúde cardiovascular, fortalecer músculos, facilitar a perda de peso e, além disso, preparar o paciente para uma rotina mais ativa no pós-operatório. Contribui para uma recuperação mais eficaz e ajuda o paciente a se sentir mais preparado para a reintrodução da atividade física após o procedimento cirúrgico.

  • Informação e Consentimento: Fornecer informações detalhadas sobre o procedimento cirúrgico, riscos e benefícios, e obter o consentimento informado do paciente.

  • Apoio Familiar: Envolver a família para garantir suporte durante o processo e a recuperação pós-operatória. 

  • Parar com maus hábitos: Parar com o tabagismo, consumo de drogas e álcool, pois esses fatores podem impactar negativamente na recuperação.

  • Uso de anticoagulante 12h antes da cirurgia, além do uso de meia elástica ou compressão pneumática durante a cirurgia para diminuir o risco de trombose e embolia.

Quais os exames realizados no pré-operatório?

  • Avaliação cardíaca: Eletrocardiograma (ECG) e teste ergométrico/ecocardiograma podem ser solicitados para avaliar a condição do coração.

  • Exames laboratoriais: São exames de sangue para verificar os níveis de glicose, colesterol, triglicerídeos, função renal e hepática, entre outros.

  • Avaliação respiratória: Radiografia de tórax, espirometria e polissonografia podem ser solicitados pelo pneumologista.

  • Avaliação nutricional: Exames laboratoriais para avaliar os níveis de nutrientes como ferro, vitamina B12, vitamina D, cálcio, entre outros.

  • Ultrassonografia abdominal: Útil para avaliar a condição do fígado, vesícula biliar e outros órgãos abdominais.

  • Endoscopia digestiva alta: Permite avaliar o estado do esôfago, estômago e duodeno.

Principais cuidados no pós-operatório:

  • Monitoramento médico: Acompanhamento próximo com seu cirurgião para avaliar a recuperação e identificar possíveis complicações. 

  • Medicações prescritas: Seguir rigorosamente as orientações médicas, incluindo analgésicos e suplementos nutricionais. Além disso, é necessário utilizar medicação para prevenir trombose por pelo menos dez dias após a cirurgia.

  • Uso de polivitamínicos: fundamental seu uso contínuo após a cirurgia bariátrica para evitar deficiências nutricionais devido às mudanças na absorção de nutrientes. 

  • Repouso adequado: Evitar esforço físico e carregar peso nos primeiros 15 dias, depois disso o paciente está liberado para retornar gradativamente as atividades físicas.

  • Dieta controlada: Adotar uma dieta específica, começando com líquidos e progredindo gradualmente para alimentos sólidos, conforme orientação do seu nutricionista

  • Atividade física: Escolha uma atividade física que lhe seja prazerosa, a atividade física precisa ser de longo prazo, principalmente no início é fundamental realizar atividades anaeróbias (atividades com carga) para evitar perda de musculatura.

  • Acompanhamento nutricional: Consultas regulares com um nutricionista para garantir uma alimentação equilibrada e suplementação adequada.

  • Apoio psicológico: Continuar o acompanhamento psicológico para lidar com as mudanças emocionais e comportamentais.

  • Comprometimento com o estilo de vida: Comprometer-se a adotar um estilo de vida saudável e seguir as orientações para otimizar os resultados a longo prazo.

Quanto tempo dura a internação para a realização da cirurgia bariátrica? E em quanto tempo é possível retornar ao trabalho?

O paciente é internado no dia da cirurgia, aproximadamente 2 horas antes do procedimento. Na grande maioria dos casos, recebe alta no dia seguinte pela manhã. Dessa forma, a cirurgia e a recuperação inicial ocorrem dentro de um período de 24 horas, permitindo ao paciente retornar para casa e dar continuidade ao processo de recuperação no conforto do seu lar. Na maioria dos casos, em aproximadamente 15 dias após a cirurgia, o paciente está plenamente apto a retornar ao trabalho ou outras atividades.

A cirurgia bariátrica é uma cirurgia segura? Podem ocorrer complicações?

A cirurgia bariátrica (independente da técnica) é considerada uma cirurgia muito segura e rotineira. A grande maioria dos pacientes se recupera bem após a cirurgia e experimenta um pós-operatório tranquilo desde que siga rigorosamente as recomendações do cirurgião. No entanto, como em qualquer procedimento cirúrgico, existem riscos e possíveis complicações associadas à cirurgia bariátrica. As principais incluem: vazamentos nos pontos de sutura (fístulas), estenose (estreitamento) do estômago ou do intestino, sangramento, deficiências nutricionais, trombose venosa profunda, embolia pulmonar, hérnias de parede abdominal, obstrução intestinal. 

As complicações são cada vez mais raras, e quando ocorrem, normalmente estão associadas a cirurgias em pacientes com IMC acima de 50 e naqueles que apresentam muitas e graves comorbidades.

O que é síndrome de dumping e como evitá-la após a cirurgia bariátrica?

A síndrome de dumping é um conjunto de sintomas que pode ocorrer após a cirurgia bariátrica, especialmente nos pacientes submetidos ao bypass gástrico, ocorre devido a rápida passagem de alimentos do estômago para o intestino delgado. Esses sintomas incluem náuseas, vômitos, sudorese, palpitações e diarreia.

Para evitar a síndrome de dumping, é recomendado fazer refeições menores e mais frequentes, mastigar bem os alimentos, evitar alimentos ricos em açúcar e carboidratos simples, e não ingerir líquidos durante as refeições. Essas práticas ajudam a controlar e minimizar os riscos de apresentar esses sintomas desagradáveis.

Após a cirurgia bariátrica o paciente tem maior chance de desenvolver pedras na vesícula?

Sim, a rápida perda de peso associada a esse tipo de cirurgia pode levar ao acúmulo de colesterol na bile, favorecendo a formação de cálculos biliares. Sendo assim, é importante um monitoramento após a cirurgia para evitar complicações relacionadas aos cálculos, e, em muitos casos, é necessário realizar um procedimento cirúrgico para a retirada da vesícula.

Afinal, por que a cirurgia bariátrica é tão superior em relação ao tratamento clínico da obesidade? 

A cirurgia bariátrica se destaca em relação ao tratamento clínico principalmente devido às mudanças hormonais que induz. Além de promover a perda de peso eficaz, a intervenção atua na regulação de hormônios relacionados ao apetite, resultando em menor sensação de fome.

Essas alterações hormonais não apenas facilitam a perda de peso, mas também contribuem para o controle de doenças associadas à obesidade. O impacto positivo na regulação hormonal é um dos fatores que torna a cirurgia bariátrica uma opção eficaz, especialmente em casos mais graves de obesidade, onde o tratamento clínico muitas vezes se mostra insuficiente para alcançar resultados no longo prazo.

Quando consideramos a cirurgia bariátrica um sucesso? Como evitar o tão temido reganho de peso?

A cirurgia para perda de peso é considerada bem-sucedida se você perder de 50 a 60% do seu peso em excesso, mas a maioria dos pacientes experimenta uma perda próxima a 80 a 90% do excesso de peso, alcançando seu objetivo em torno de 1 ano e meio após a cirurgia. A partir daí, o grande desafio é conseguir manter essa perda, algo que só será possível se o paciente estiver disposto a manter o acompanhamento multidisciplinar e estiver preparado para realmente mudar no longo prazo o estilo de vida, hábitos alimentares e atividade física. Além disso, também medimos o sucesso da cirurgia de acordo com o tratamento bem-sucedido das doenças existentes antes da cirurgia, como diabetes, hipertensão e distúrbios lipídicos.

Após a cirurgia bariátrica, pode haver indicação de cirurgia plástica? Quando é possível realizar a cirurgia?

Sim, após a cirurgia bariátrica, muitos pacientes optam por cirurgia plástica para remover o excesso de pele resultante da perda de peso significativa. 

Em geral, não indicamos a realização da cirurgia plástica antes de 1 ano e meio após a cirurgia bariátrica. Este período permite uma melhor estabilização do peso, adaptação do corpo e redução de complicações, resultando em resultados mais satisfatórios e seguros.

Qual o preço da cirurgia bariátrica? 

O valor do tratamento depende de vários fatores, como a técnica cirúrgica utilizada, o cirurgião principal do caso e sua equipe, a qualidade e segurança da anestesia realizada, o hospital e cidade, os materiais especiais utilizados (grampeadores, fios, equipamento de videocirurgia, etc).
Em geral, podemos dizer:
 

  • Tratamento cirúrgico minimamente invasivo: compreende a cirurgia videolaparoscópica, também conhecida como "cirurgia a laser" (apesar de não se utilizar laser nessa cirurgia). Pensando em um tratamento com um cirurgião experiente e em um hospital que ofereça a estrutura e segurança necessárias, tenha expectativa de pagar algo a partir de R$ 20.000 reais, até R$ 40.000 reais (valores de 2024).
     

Um ponto a se tomar cuidado, neste aspecto, é em relação a valores que destoam muito do citado acima. Observe se o hospital realmente possui estrutura e segurança para o procedimento, se o cirurgião realmente é especialista (com RQE registrado no Conselho Federal de Medicina), se a equipe cirúrgica e anestésica tem prática e experiência na realização do procedimento. Sua vida é o seu bem mais precioso.

Nós recomendamos que você passe por consulta com um médico especialista (cirurgião do aparelho digestivo) para poder definir melhor qual o tratamento e valor adequados a você.​

Clique aqui para ver informações de agendamento de consulta com o Dr. Daniel Assumpção, cirurgião da rede MaterDei, e obter um orçamento adequado para o seu caso.

Pare de sofrer com tratamentos pouco efetivos

Muitas pessoas que estão sofrendo com a obesidade acabam experimentando diferentes tratamentos que, na maioria das vezes, apenas adiam o problema, prolongando o desconforto e aumentando os gastos, até que decidem buscar ajuda especializada. O cirurgião do aparelho digestivo é o profissional adequado para tratar essa condição. Mesmo o paciente que considera que seu caso não seja cirúrgico pode passar por uma avaliação e entender quais outras opções de tratamento são viáveis, de forma individual. 


Uma única consulta pode trazer diversos benefícios:

 

  1. Abordagem individual: cada pessoa possui características e contextos únicos, o que faz com o tratamento de uma pessoa não necessariamente seja o melhor tratamento para outra pessoa. Entenda o seu caso de forma única e pessoal.

  2. Tratamento efetivo: o cirurgião do aparelho digestivo é capaz de oferecer diferentes abordagens terapêuticas para a obesidade. Essas opções incluem desde tratamentos clínicos pré e pós-cirúrgicos, passando pela indicação de intervenções endoscópicas, até o tratamento cirúrgico em si.

 

Não prolongue seu sofrimento desnecessariamente. Agende uma consulta agora mesmo com um cirurgião do aparelho digestivo. Você merece viver com conforto e bem-estar.

Um recado do Dr. Daniel Assumpção

Se você está sofrendo com a obesidade, gostaria de enfatizar a importância de procurar ajuda médica especializada o quanto antes. É comum ver pessoas enfrentando esse problema por muitos anos, tentando diferentes tratamentos, sem obter resultados efetivos. Como especialista em obesidade, estou aqui para ajudá-lo. Durante a consulta, farei uma avaliação cuidadosa do seu caso e oferecerei orientações personalizadas de acordo com suas necessidades individuais. Com base nessa avaliação, poderemos explorar as opções de tratamento disponíveis, incluindo abordagens conservadoras e cirúrgicas. Não prolongue seu sofrimento. Marque uma consulta comigo e vamos trabalhar juntos para encontrar uma solução efetiva para você.

Fontes bibliográficas

- PEREIRA, ANDREA. Cirurgia Bariátrica e Metabólica – Abordagem multidisciplinar. Rio de Janeiro: Rubio, 2019. 446p.
- Bariatric Surgery. Cleveland Clinic. Internet]. [cited 2024 Mar 04]. Available from: https://my.clevelandclinic.org/health/treatments/bariatric-surgery
- Bariatric Surgery. Mayo Clinic. Internet]. [cited 2024 Mar 04]. Available from: https://www.mayoclinic.org/tests-procedures/bariatric-surgery/about/pac-20394258
- Bariatrics. Johns Hopkins Medicine. [Internet]. [cited 2024 Mar 04]. Available from: https://www.hopkinsmedicine.org/bariatrics/get-started
- Cirurgia Bariátrica e Metabólica. Sociedade Brasileira de Cirurgia Metabólica e Bariátrica. [Internet]. [cited 2024 Mar 04]. Available from: https://www.sbcbm.org.br/tecnicas-cirurgicas-bariatrica/ 
- Guidelines For Weight-Loss Surgery. American Society for Metabolic and Bariatric Surgery. [Internet]. [cited 2024 Mar 04]. Available from: https://asmbs.org/news_releases/after-30-years-new-guidelines-for-weight-loss-surgery/

Aviso legal

A Fluid Saúde se dedica a garantir atendimento de alta qualidade ao paciente, avançando na ciência, prevenção e gerenciamento de distúrbios e doenças do aparelho digestivo. O conteúdo aqui presente é inclusivo, mas não prescritivo. Seu objetivo é fornecer informações sobre doenças e processos, em vez de ditar uma forma específica de tratamento. Destinam-se ao uso de todos os profissionais de saúde e pacientes que desejam informações sobre o manejo das condições abordadas. Deve-se reconhecer que esta página não deve ser considerada como inclusiva de todos os métodos adequados de tratamento ou excluindo métodos de tratamento razoavelmente direcionados para obter os mesmos resultados. O julgamento final sobre a propriedade de qualquer procedimento específico deve ser feito pelo médico à luz de todas as circunstâncias apresentadas pelo paciente individual.

Conheça o Dr. Daniel Assumpção

A melhor forma de conhecermos o trabalho de alguém é vendo o que as pessoas que foram tratadas anteriormente têm a dizer. 

Médico, cirurgião geral e do aparelho digestivo - Rede MaterDei de Saúde

🧑🏻‍⚕️Cirurgião do Aparelho Digestivo do Hospital das Clínicas da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), Rede MaterDei de Saúde e Instituto Orizonti de saúde e longevidade.

🧑🏻‍⚕️Membro do corpo clínico da Santa Casa de Misericórdia de Belo Horizonte.

🧑🏻‍⚕️Médico cooperado Unimed-BH.

😷 Residência médica em Cirurgia do Trauma no Hospital João XXIII.

😷 Residência médica em Cirurgia Geral no instituto Mário Penna/Luxemburgo.

🇧🇷 Título de área de atuação em Cirurgia Bariátrica - Membro Titular da Sociedade Brasileira de Cirurgia Bariátrica e Metabólica

🇧🇷 Membro Titular Especialista do Colégio Brasileiro de Cirurgia Digestiva.

MaterDei Contorno e Orizonti.png

Cirurgias: Hospital MaterDei Contorno, Instituto Orizonti

Consultório particular Santo Agostinho - Fluid Saúde

Atendimento particular, opções de consultas de 40 minutos, 1 hora, 1h30, 2 horas.

Rua dos Aimorés, 3140 - Belo Horizonte - MG, 30140-073

Tel e WhatsApp: (31) 97196-4010

Consultório Unimed

Atendimento por convênio Unimed e outros convênios.

Av. do Contorno, 2905 - Santa Efigênia, Belo Horizonte - MG, 30110-915

Telefone: (31) 3241-2124

WhatsApp: (31) 98304-3366

Produzido por Fluid Saúde.

Todos os direitos reservados.

bottom of page